terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Natal é momento de perdoar


UMA LISTA DO QUE ESQUECER

por Lloyd John Ogilvie

Leitura bíblica: Efésios 4:25-32

Versículo-chave
“Antes dede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus em Cristo vos perdoou.” (Efésios 4:32)

Meditação: A prova de fogo de que aceitamos a dádiva do amor e perdão de Deus é sermos livres para dar início à comunicação do que recebemos. Paulo nos admoesta a não entristecermos o Espírito Santo. Fazer tal é negar o motivo por que Deus veio em Cristo: amar-nos e tornar-nos amáveis. Billy Graham disse: “Deus nos deu duas mãos – uma para receber e outra para dar”. Precisamos celebrar o Natal com ambas as mãos!

A quem você precisa perdoar?


Quem, em sua vida, está sofrendo de má nutrição espiritual por falta da sua aprovação, aceitação e confirmação? A quem você precisa perdoar? Perdão de quem você precisa procurar? Pense em como seria o Natal se todas as mágoas fossem expressas e houvesse verdadeiras reconciliações. Muitos estão sobrecarregados com a tensão interior dos “se tão-somente” e dos “que poderia ter sido” da vida. Estou certo de que a frustração que muitos sentem na época do Natal acontece em virtude das coisas lindas que fazemos e damos e que contradizem nosso verdadeiro sentimento. Talvez precisemos de dois tipos de listas de presentes: uma para os presentes que queremos dar e outra para as pessoas a quem precisamos perdoar e de quem precisamos receber perdão.

Natal é a época de lembrar e de esquecer.


O problema é que a maioria de nós tem memória melhor do que a de Deus. Lembramo-nos das mágoas e as acariciamos. A seguir gastamos nossas forças retribuindo, retirando e matando as pessoas à distância. Um dos maiores presentes que podíamos dar a nós mesmos na época do Natal é amor em ação. Henry Ward Beecher certa vez afirmou: “Dizer ‘posso perdoar mas não consigo esquecer’ é outro modo de dizer ‘não perdoarei!’”. Natal é a época de olhar para o rosto do Pai e dizer-lhe que você aceitou o seu presente de perdão e então reembrulhar a dádiva e dá-la aos outros.

Pensamento do dia: “Errar é humano; perdoar é divino”.

(Lloyd John Ogilvie, “O que Deus tem de melhor para a minha vida”, Ed. Vida, meditação de 19 de dezembro)


domingo, 30 de novembro de 2014

Fé restaurada


Leia Hebreus 11:1-6

“Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam,
a convicção de fatos que se não vêem.”
(Hebreus 11:1)

Como sempre faço, depois de um dia de trabalho, ao chegar a minha casa, fui direto à janela, ver os meus vasos de plantas. Infelizmente, não tive uma boa surpresa: alguém tinha quebrado e arrancado todas elas. Fiquei muito chateada ao ver minha planta favorita toda estraçalhada.

Todas as pessoas ao meu redor diziam que eu deveria jogá-la fora, pois não conseguiria reviver. Mas fiquei com pena e não quis fazê-lo. Passei a cuidar da planta todos os dias. Agora, meses depois, eu a vejo totalmente recuperada e com quatro botões prontos para florescer.

Diante desse fato, não posso deixar de pensar no nosso Deus, que restaura completamente a nossa vida, mesmo quando nos sentimos acabados, para que possamos florescer e ser mais um exemplo de Sua graça e misericórdia. Basta termos fé.

ORAÇÃO: Pai querido, permita que nossa fé não se abale, mas permaneça firme em Ti, mesmo quando não vemos saída para as nossas vidas. Em Teu nome, oramos. Amém.

PENSAMENTO PARA O DIA: O nosso Deus é o Deus do impossível!

Valéria Cristina Henriques (Rio de Janeiro, Brasil)

Oremos pelas pessoas que não acreditam no poder de Deus.

(“No Cenáculo”, Ed. Cedro, meditação de 08 de julho de 2003)

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Estoque de lenha


Leia Salmo 119:1-15

“Neste Deus ponho a minha confiança
e nada temerei.”
(Salmo 56:11)

Mesmo sendo verão e estando quente, o meu vizinho mantém a lenha empilhada e armazenada. Eu nunca fui muito boa em guardar dinheiro, tempo ou lenha para me preparar para os períodos de escassez, correria ou para os dias de frio por vir. Este também tem sido o padrão de minha vida espiritual. Eu costumava ter bem pouco para aquecer meu espírito nos invernos de minha vida. Quais eram meus inimigos nesses dias frios de inverno? Tristeza, pesar, auto-reprovação, raiva de mim mesma, raiva de Deus.

Até muito recentemente, eu nunca dei atenção, de modo consistente, à presença de Deus em minha vida. Eu achava que Deus era Alguém a quem buscar somente nos momentos de crise. “Só me ajude a enfrentar este momento, Senhor”, eu pedia, referindo-me a este dia, este pesadelo, este inverno.

Sempre que surgia uma das tempestades da vida, eu vagava por ela tentando encontrar “lenha” para me aquecer no frio e na escuridão. Entre as tempestades, eu nada armazenava de Deus dentro de mim. Eu não orava nem estudava a Bíblia regularmente.

Então, finalmente, abri meu coração, pedindo a Deus que entrasse em todos os seus cantos cansados e dolorosos. Com o espírito de Deus fluindo constantemente dentro de mim, sei que posso enfrentar a mudança, a incerteza, e até a perda. Neste exato momento, o clima está ótimo. Mas desta vez, quando o inverno chegar, estarei preparada. Porque agora Deus vem em primeiro lugar em minha vida.

ORAÇÃO: Obrigada, ó Deus, pelo calor que Tu ofereces a cada dia, em cada estação da vida. Em nome de Jesus. Amém.

PENSAMENTO PARA O DIA: O tempo que passamos com Deus hoje nos prepara para enfrentar o amanhã.

Carol Mead (Mississippi, EUA)

Oremos por alguém que esteja se sentindo só numa tempestade.

(“No Cenáculo”, Ed. Cedro, meditação de 26 de julho de 2003)

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Samba de uma nota só



“Nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus.”
(Atos 20:27)

Uma amiga visitou minha igreja algumas vezes. Certa feita, questionada sobre suas primeiras impressões, disparou: “O que mais me chama a atenção é como o discurso em geral é repetitivo, um samba de uma nota só. Parece que vocês ficam repetindo porque têm dificuldade em acreditar”. Depois desse soco no estômago, nada mais me restou a não ser baixar as orelhas em concordância constrangida. De fato, estamos muitas vezes aprisionados ao leite, completamente ignorantes do alimento sólido, alheios a uma série infindável de temas para os quais as igrejas fecham os olhos.

Assim, deixamos de comer o bom alimento e nos empanturramos com o mesmo e velho leite, como se fôssemos crianças: “Irmãos, não lhes pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a crianças em Cristo. Dei-lhes leite e não alimento sólido, pois vocês não estavam em condições para isso. De fato, vocês ainda não estão em condições, porque ainda são carnais” (1 Coríntios 3:1-3).

Uma saída é que a igreja, como comunidade, se empenhe em ler, observar, interpretar e aplicar os textos bíblicos, compreendendo coletivamente a Palavra, com a valiosa contribuição daquele irmão caladinho que não tem eloqüência para pregar um sermão. É a maravilhosa interpretação da Palavra de Deus empreendida pelo corpo de Cristo, sem a necessidade de iluminados monopolizando o que nosso Pai quis dizer.

(“Devocionais para todas as Estações”, Ed. Ultimato, meditação de 13 de novembro)


sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Livre para voar


Leia Salmo 18:31-36

“Perguntou-lhes, então, Jesus: 
Por que sois tímidos, 
homens de pequena fé?” 
(Mateus 8:26)

Recentemente, assisti à apresentação de um trapezista. Fiquei maravilhado com seu talento. Em toda apresentação de trapézio existe um ponto em que o artista deve soltar uma barra e alcançar outra. Naquela fração de segundo, o artista não se segura em nada. Embora seu cálculo do tempo deva ser perfeito, o número não será bem sucedido a menos que ele tenha confiança para se soltar da primeira barra.

Percebo que, em minha vida, freqüentemente tenho dificuldade de me soltar. Na maioria das vezes, tenho medo de abandonar algo confortável por aquilo que é desconhecido. Tenho de explorar o novo curso de ação muito cuidadosamente antes de deixar o antigo. Às vezes, a direção parece certa, mas geralmente hesito em deixar o desconhecido.

Os trapezistas sabem, pela prática e pela experiência, que seu equipamento e seus companheiros estarão lá quando estiverem prontos. Eles têm de ter confiança de que seu equipamento e seus companheiros não os decepcionarão; estão certos de seu apoio. Em comparação, eu sou muito medroso quando se trata de romper com o conhecido. Eu transformei minha vida num lugar aconchegante, do qual hesito em sair. No entanto, Cristo continuamente nos chama a abandonar nosso conforto com fé. Estamos dispostos a sair, a lançar fora o nosso medo e nos agarrar ao que Deus oferece? Estamos dispostos a voar?

ORAÇÃO: Senhor, ajuda-nos a nos lançar com fé para agarrar a maravilhosa vida que Tu ofereces. Em nome de Jesus. Amém.

PENSAMENTO PARA O DIA: Não tenha receio de se lançar; Deus está esperando.

Dennis D. Emmons (Illinois, EUA)

Oremos pelas pessoas que têm medo do desconhecido.

(“No Cenáculo”, meditação de 09 de junho de 2003)

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Quando tudo estiver escuro


"Dar-te-ei os tesouros escondidos..." 
(Isaías 45:3)


Nas famosas fábricas de renda de Bruxelas há certos aposentos reservados, onde se tecem os desenhos mais finos e delicados. Esses cômodos são escuros, sendo que a única luz que ali entra vem de uma janela pequenina, e incide diretamente sobre o modelo da renda. No aposento há somente um artesão, que fica sentado exatamente onde a estreita faixa de luz incide sobre as linhas com que trabalha. "É assim que obtemos os nossos melhores produtos", disse-nos o guia. "A renda é sempre mais delicada, na confecção e no desenho, se o artesão estiver no escuro e só o material for iluminado."

Não se dará o mesmo com a nossa vida? Às vezes tudo ao nosso redor está muito escuro, e não podemos entender o que estamos fazendo. Não vemos o que está sendo produzido. Não somos capazes de descobrir nenhuma beleza ou nada de bom em nossa existência. Contudo, se formos fiéis e não desanimarmos, um dia veremos que o mais fino e delicado trabalho de toda a nossa vida foi feito naqueles dias em que tudo estava escuro.

Se você está em profunda escuridão por causa de alguma providência estranha e misteriosa, não tenha medo. Simplesmente prossiga, em fé e amor, sem duvidar. Deus está velando, e ele tirará o bem e alguma coisa bela, de todo o seu sofrimento e lágrimas."

(“Mananciais no Deserto”, Lettie Cowman, Ed. Betânia, meditação de 13 de dezembro)

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Esperando que as flores renasçam


A ESPERA PELO DESABROCHAR

Habacuque 3:

17 Mesmo não florescendo a figueira,
e não havendo uvas nas videiras,
mesmo falhando a safra de azeitonas,
não havendo produção de alimento nas lavouras,
nem ovelhas no curral nem bois nos estábulos,
18 ainda assim eu exultarei no SENHOR e me alegrarei
no Deus da minha salvação.
19 O SENHOR, o Soberano, é a minha força;
ele faz os meus pés como os do cervo;
faz-me andar em lugares altos.

MEDITAÇÃO:

Ao completar 20 anos de matrimônio, recebi de meu esposo um vaso de orquídeas de exuberante beleza. Suas folhas davam lugar a flores, e este permaneceu florido por longo tempo adornando minha casa.

Quando murchou sua última flor, passei a dispensar cuidados para com esta planta como faço com minhas outras, na esperança de vê-la florescer novamente. Os anos se passaram e eu me perguntava porque ela não floresceu mais.

Há dois anos, resolvi pedir ajuda ao pai de uma amiga que é orquidólogo. Na certeza de que ele a faria florescer novamente, enchi-me de alegria.

Após alguns dias, me surpreendi ao ver por entre as folhas um cacho com oito botões se preparando para florir. Imediatamente pensei em como é importante buscarmos ajuda com a pessoa certa.

Assim também é com nossas vidas. Devemos buscar a orientação do nosso Criador. Ninguém nos conhece e ama mais do que o Deus que se fez homem para nos salvar e abençoar.

Deus está sempre pronto para agir e nos dar respostas, mesmo quando parece que elas demoram para chegar. Especialmente no período do Natal, renovo a busca por Deus e a sua sustentação em Seu filho.

Agora, estou aguardando com curiosidade e paciência o desabrochar das flores.

ORAÇÃO:

Ajuda-nos, ó Deus, a esperar pacientemente pela Tua ação em nossas vidas. Em nome de Jesus. Amém.

PENSAMENTO DO DIA:

Que boas ações posso cultivar hoje para colher a compreensão, o respeito e o amor?

Oremos pelas pessoas que se sentem angustiadas com a espera.

Irma Apolinário Gavioli (São Bernardo do Campo, Brasil)

("No Cenáculo", Ed. Cedro, meditação de 26 de dezembro de 2001)

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Ajuda a caminho


Leia o Salmo 46:1-11

“Deus é o nosso refúgio e fortaleza,
socorro bem presente nas tribulações.”
(Salmo 46:1)

Nós vivemos no alto de uma cordilheira, no Tennessee Ocidental, em um belo ambiente com uma vista panorâmica das Great Smoky Mountains. Esse ambiente sereno é frequentemente interrompido pelo som do helicóptero do Centro Médico da Universidade do Tennessee que sobrevoa nossa casa a caminho do hospital.

Quando começamos a perceber o helicóptero, percebemos o quanto o seu barulho nos incomodava. Com o passar do tempo, nos demos conta de que cada voo significava que alguém estava em extrema necessidade de atendimento médico. Cada vez que ouvíamos o helicóptero, nós orávamos, pela tripulação e pelas pessoas envolvidas nesta missão de misericórdia, para que tudo corresse bem e de acordo com o plano de Deus.

Um dia, percebemos um lado profundamente mais positivo para essas situações. Sim, o helicóptero médico é enviado em circunstâncias graves. Mas o simples fato de ele estar em trânsito significa que a ajuda está a caminho.

O Salmo 46:1 nos lembra que “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações”. Hoje nós ainda oramos pela tripulação do helicóptero e pelas pessoas que recebem seus serviços. Mas também agradecemos por Deus estar presente, proporcionando força e conforto a cada pessoa.

ORAÇÃO: Maravilhoso e curativo Deus, muito obrigado por teu amoroso cuidado e por aqueles que são instrumentos do teu amor. Amém.

PENSAMENTO PARA O DIA: Deus nos dá esperança em tempos de medo e desespero.

Oremos pelas esquipes de resgate que trabalham em helicópteros.

Richard Armbrister (Tennessee, EUA)

(“No Cenáculo”, Ed. Cedro, meditação de 22 de abril de 2014)

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Antes de desistir



AINDA NÃO ACABOU

Leia Lucas 24:1-8

“As mulheres que tinham vindo da Galileia com Jesus [...] então, se retiraram para preparar aromas e bálsamos. E, no sábado, descansaram, segundo o mandamento.” 
Lucas 23:55-56

Jesus tinha sido crucificado. Sua vida tinha terminado. As mulheres paradas ali perto observaram seu corpo ser retirado da cruz e levado para ser sepultado. Então elas foram para casa. Determinadas a honrar pela última vez o homem a quem haviam seguido, elas prepararam bálsamos com especiarias e perfumes para o corpo do Senhor.

Tento imaginar o que as mulheres sentiam. Jesus afirmava ser o Cristo, no entanto, ele havia sido morto como um criminoso. A esperança certamente deu lugar à confusão e desapontamento enquanto suas mentes clamavam: “Acabou. Ele não era o Messias”.

Muitas vezes em minha vida eu deixei de acreditar pouco antes de minha oração ser respondida. Quando a resposta de Deus parecia ser “não”, meu otimismo se transformava numa derrotada aceitação. Mais tarde, porém, eu me alegrava ao descobrir que o que parecia o fim da esperança era apenas uma demora, uma diferença entre o tempo de Deus e o meu.

As mulheres que foram para casa preparar as especiarias e perfumes nos ensinam como lidar com os momentos em que tudo parece perdido. Podemos continuar em oração, fazer o que parece certo e confiar que a qualquer momento Deus pode derramar ricas bênçãos em nossas vidas. Deus levantou Jesus do túmulo. Nós também somos filhos de Deus. O que ele fará por nós?

ORAÇÃO: O quanto deves ter-nos amado, Senhor! Dá-nos fé para confiar mais em ti. Amém.

PENSAMENTO PARA O DIA: Nós às vezes ouvimos “não” quando Deus está dizendo “espere’. Oremos pelas pessoas que perderam a esperança.

Pat Rowland (Tennessee, EUA)

(“No Cenáculo”, Ed. Cedro, meditação de 19 de abril de 2014)

sábado, 29 de março de 2014

O poder do silêncio


SALMO 141

1 Clamo a ti, SENHOR; vem depressa!
Escuta a minha voz quando clamo a ti.
2 Seja a minha oração
como incenso diante de ti
e o levantar das minhas mãos,
como a oferta da tarde.
3 Coloca, SENHOR, uma guarda à minha boca;
vigia a porta de meus lábios
4 Não permitas que o meu coração
se volte para o mal,
nem que eu me envolva em práticas perversas
com os malfeitores.
Que eu nunca participe dos seus banquetes!
5 Fira-me o justo com amor leal
e me repreenda,
mas não perfume a minha cabeça
o óleo do ímpio,
pois a minha oração
é contra as práticas dos malfeitores.
6 Quando eles caírem nas mãos da Rocha,
o juiz deles,
ouvirão as minhas palavras com apreço.
7 Como a terra é arada e fendida
assim foram espalhados os seus ossos
à entrada da sepultura.
8 Mas os meus olhos estão fixos em ti,
ó Soberano SENHOR;
em ti me refugio;
não me entregues à morte.
9 Guarda-me das armadilhas
que prepararam contra mim,
das ciladas dos que praticam o mal.
10 Caiam os ímpios em sua própria rede,
enquanto eu escapo ileso.

“Não me permitas dizer uma palavra errada ou vã
Ou irrefletida.
Põe um selo sobre meus lábios
Por hoje nada mais.”


Fique calado! Quando o problema estiver ameaçando, fique calado! Quando a calúnia estiver se levantando, fique calado! Quando ferirem seus sentimentos, fique calado! Pelo menos até que se recupere de sua agitação! As coisas se vêem diferentes com os olhos serenos.

Uma vez, estando perturbado, escrevi uma carta e a enviei, e lamentei ter feito isto. Anos depois, também me senti perturbado e escrevi outra carta longa. A vida me havia impregnado com um pouco de bom senso e guardei a carta no meu bolso até que pude examiná-la sem agitação e sem lágrimas, e me alegrei por ter feito isto: cada vez que a lia, parecia menos necessário enviá-la. Não me parecia que seria prejudicial, mas na minha vacilação aprendi a ser discreto e finalmente, a destruí.

O tempo opera maravilhas! Espere até que possa falar com calma e então talvez já não será necessário que fale. Algumas vezes, o silêncio é a estratégia mais poderosa que se pode conceber. É a força em toda sua magnitude; é como um regimento ao qual ordenaram guardar silêncio no furioso fragor da batalha. Precipitar-se seria muito mais fácil. Não se perde nada aprendendo a ficar calado.

O silêncio é um grande pacificador.

(“Mananciais no Deserto”, Lettie Cowman, Ed. Betânia, meditação de 16 de janeiro)

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Siga seus sonhos!


COM O OCEANO À FRENTE

Leia Josué 1:1-9

“Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais ele fará.” (Salmo 37:5)

Meu filho adulto me entregou um cartão

“O que é isso?”, perguntei, surpresa.

“Mãe, eu sei que você tem se sentido oprimida ultimamente”, disse ele. “Você quer voltar para a escola e não há dinheiro para isso”.

Meus olhos se encheram de lágrimas. “Oh, filho, eu não preciso do seu dinheiro”.

Eu tinha entendido mal. “Mãe, não é dinheiro. Eu também não o tenho”, disse ele. “Apenas leia o cartão”. Tirei-o do envelope. Na frente, havia a figura de um pequeno aquário de vidro colocado sobre a areia da praia. Dentro dele, havia um peixinho dourado, olhando cheio de desejo para o grande oceano à sua frente. Eu sabia exatamente como aquele peixinho se sentia. Eu estava presa num aquário e queria mergulhar naquele oceano. Dentro do cartão, meu filho havia escrito: “Siga seus sonhos, mãe”.

Tocada pela fé que meu filho tinha em mim, percebi que Deus também tinha fé em mim – e isso me deu auto-confiança. Minhas circunstâncias físicas eram as mesmas, mas havia uma diferença espiritual. Eu sabia que, com a ajuda de Deus, poderia correr atrás dos meus sonhos. E corri!

ORAÇÃO: Obrigada, Deus atento e generoso, por nunca me dares mais do que, pela Tua graça, eu posso manejar. Em nome de Jesus. Amém.

PENSAMENTO PARA O DIA: Deus trabalha conosco enquanto trabalhamos para fazer nossos sonhos darem certo.

Jill M. Woods (Colorado, EUA)

Oremos pelas pessoas adultas que estão voltando à escola.

(“No Cenáculo”, Ed. Cedro, meditação de 1º de outubro de 2003)

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Desanimar por quê?


A DISCIPLINA DO DESÂNIMO

“Ora, nós esperávamos... mas depois de tudo isto,
é já este o terceiro dia...”
(Lucas 24:21)

Todos os fatos citados pelos discípulos estavam certos; mas as inferências que eles tiraram de tais fatos estavam erradas. Tudo o que espiritualmente cheira a desânimo está errado. Se a depressão e a opressão me visitam, sou o culpado. Deus não tem culpa; nem ele, nem mais ninguém tem. O desânimo tem duas causas possíveis: ou a satisfação ou a insatisfação de uma concupiscência. Concupiscência significa: tenho que obter isto imediatamente. A concupiscência espiritual me leva a exigir uma resposta de Deus, em lugar de buscar o Deus que me dá a resposta. O que eu estava querendo que Deus fizesse? E hoje – momento presente – já é o terceiro dia, e ele não o fez; portanto, creio ser justificável estar desanimado ou abatido e culpando a Deus. Sempre que insistirmos em que Deus responda à oração, estaremos no caminho errado. O verdadeiro sentido da oração é que cheguemos a Deus e, não, que obtenhamos uma resposta. É impossível estar ao mesmo tempo fisicamente bem e desanimado. O desânimo é sinal de doença, e o mesmo acontece espiritualmente. O desânimo espiritual é errado, e somos sempre os culpados por ele.

Buscamos visões do céu, terremotos e trovões do poder de Deus (o fato de estarmos desanimados é prova disso), e nunca nos passa pela cabeça que Deus está o tempo todo presente nas coisas e nas pessoas comuns que nos cercam. Se cumprirmos o primeiro dever que está diante de nós, veremos a Deus. Uma das mais maravilhosas revelações de Deus nos vem quando descobrimos que é nas coisas comuns que a divindade de Jesus Cristo se manifesta.

(Oswald Chambers, “Tudo para Ele”, Ed. Betânia, meditação de 07 de fevereiro)